pets, pet supplies
pets, pet supplies

          Inicio         Casos clinicos         Cães       Gatos         Prevenir        Emergências Médicas             Saúde              Contactos            Horário 

pets, pet supplies
 

 

pets, pet supplies

Displasia Coxo Femural

pets, pet supplies
pets, pet supplies

  

A displasia coxofemural é a patologia em termos de ortopedia  hereditária mais comum nos cães. Ela pode surgir em qualquer raça, mas é mais comum nas raças grandes ou gigantes, como Rottweillers, Pastores e Molossoides, e principalmente em animais que têm um crescimento muito rápido.

São muito variáveis os sinais  mas uma marcha anormal, dificuldade em sentar-se levantar ou coxear após uma corrida, dor ao manuseio são situações a ter em atenção e que devem servir de sinal de alarme. A confirmação só poderá ser efectuada após diagnóstico radiográfico.

Esta doença  caracteriza-se pela má formação da articulação coxofemural, ou seja, a inserção do membro traseiro na cintura pélvica. Os primeiros sintomas aparecem principalmente por volta dos 4 aos 7 meses de vida, quando o animal afectado começa a coxear  e  a sentir dor quando se desloca, principalmente nos pisos mais escorregadios. Devido a dificuldade para andar, o cão pode não conseguir mexer-se e  os e os músculos podem atrofiar.No entanto um cão pode ser displásico sem apresentar sinais evidentes de tal. Nos animais jovens a dor pode desaparecer durante algum tempo e voltar mais tarde na vida.

ancan.jpg (8496 bytes)      Anca Normal            ancamal.jpg (7671 bytes)  Anca com Displasia

A displasia coxofemural é geneticamente recessiva, por isso tanto o macho quanto a fêmea precisam ter a doença, ou pelo menos o gene para que os cachorros também tenham. Mesmo assim, essa deficiência tornou-se  mais comum, a partir do momento em que os proprietários cruzaram animais afectados sem se preocupar com a transmissão. . o cão não nasce com displasia, mas devido à influência de factores ambientais, alimentares, excesso de exercício, etc., e unida a um importante componente genético, origina-se um desequilíbrio entre a massa muscular e o desenvolvimento do esqueleto.

A displasia da anca pode existir com ou sem sinais clínicos . Não é incomum como já referimos que os animais que apresentem dor  deixem de a sentir durante alguns anos e que   pareça desaparecer por alguns anos para  retornar  quando as alterações  se tornam mais óbvias. Nem  todos os cães com a predisposição genetica desenvolverão sinais clínicos, dependendo das condições que se apresentam no crescimento ao animal.A sobrealimentação com dietas de elevado teor energético cálcio, vitaminas, etc. deve ser evitada sobretudo na idade  de crescimento.

Presentemente , a ligação a mais forte aos factores contribuindo para   o surgimento nos animais genéticamente predispostos  está associada ao ganho rápido de  peso e a crescimento acelerado. Em um estudo recente feito em Labradores uma redução significativa no desenvolvimento da displasia da anca ( cerca de 25%) ocorreu num grupo de cachorros com alimentação controlada versus um com alimentação  sem controlo.

A confirmação  da displasia da anca antes do tratamento é necessária e tem de ser usada pelo método radiográfico.

Existem duas técnicas utilizadas actualmente para o seu diagnóstico:

,O padrão usada na fundação Ortopédica para os animais (OFA)   e o método desenvolvida na universidade da   Pensilvânia (PennHIP). As radiografias do método PennHIP têm demonstrado ser uma técnica eficaz no diagnóstico em animais com menos de 10 meses de idade.

Tratamento.

Osteotomia tripla-Animais Jovens

A-Antes de cirurgia B- Após cirurgia 

Uma vez efectuado o diagnóstico um tratamento é necessário. Para os cães que exibem sinais clínicos com  menos do que um ano de idade, um tratamento agressivo pode ajudar  a aliviar  um sofrimento mais tarde na vida.Um tratamento adequado aliado à cirurgia através  da efectivação de uma osteotomia tripla tem uma taxa elevada do sucesso quando feita no tempo apropriado.

Prótese total da anca

Prótese total da Anca   A-Antes de cirurgia B- Após cirurgia    C- 2 anos após cirurgia Prótese total da Anca em   Rottweiler de 14 meses

Os cães que exibem sinais clínicos após a fase do crescimento requerem uma aproximação diferente ao tratamento. É necessário determinar se a situação  pode ser controlada pelo tratamento médico que terá o objectivo de manter o nível de conforto do animal.. Se o tratamento médico for insuficiente então o tratamento cirúrgico é possível. O melhor tratamento cirúrgico é a prótese total da anca. Remove-se o acetábulo danificado e a cabeça femoral e substituindo-os por  componentes comuns artificiais, a dor é eliminada quase por completo.. Este procedimento   é muito eficaz e deve ser a primeira escolha para o tratamento da displasia severa da anca.

Ablação da cabeça do Femur

Ablação cabeça femur A-Antes de cirurgia B- Após cirurgia

Em alguns casos, esta cirurgia pode ser além dos recursos financeiros de um proprietário do animal de estimação. Uma cirurgia alternativa é a remoção da cabeça do fêmur. Neste procedimento, a cabeça femoral (peça da esfera da junção do anca) é removida. Isto elimina a maioria do osso ao contacto do osso e pode reduzir a dor substancialmente.

Medicação

Quando um cão mais velho exibe os sintomas     associados a displasia é frequentemente possívelefectuar manutenção do mesmo com o recurso a  medicação Não há nenhuma vantagem em causar dor.O exercício regular pode ser muito útil e a perda do peso pode ter efeitos dramáticos na quantidade de desconforto sofrida por  um cão. Trabalhar com o  seu veterinário assistente para vir à mais melhor solução para seu cão.

Um cachorro que tem displasia coxofemural pode viver uma vida normal, mas não deve ser utilizado para reprodução. Mesmo se um descendente é normal, mas os  seus pais são doentes, não se deve utilizá-lo para reprodução, pois os seus descendentes podem ter problemas.

Existem diversas categorias de displasia coxofemural, de acordo com a gravidade.A classificação aceite no nosso país, é a proposta pela Federação Cinológica Internacional. (FCI)

Categorias de Displasia Coxofemural
HD - (Categoria A): animal sem displasia
HD +/- (Categoria B): articulação quase normal
HD + (Categoria C): displasia leve
HD ++ (Categoria D): displasia moderada
HD +++ (Categoria E): displasia severa

 

Para se obter um exame  conclusivo este exame é feito no animal com 12 meses de idade. Nas raças gigantes, como o Dogue Alemão,São Bernardo, Mastiff e Mastim Napolitano, este exame deve ser feito com 18 meses. Nestes animais em que a tendência à displasia é grande podem  realizar exames preliminares a partir dos 7 meses de idade, para que o veterinário possa controlar a doença, impedindo que o cão sinta muita dor.

pets, pet supplies
 
pets, pet supplies